PAN - UM NOVO PARADIGMA

Vivemos o fim de ciclo de um paradigma civilizacional esgotado, o paradigma antropocêntrico, cuja exacerbação nos últimos séculos aumentou a devastação do planeta, a perda da biodiversidade e o sofrimento de homens e animais. Impõe-se um novo paradigma, uma nova visão/vivência da realidade, ideias, valores e símbolos que sejam a matriz de uma nova cultura e de uma metamorfose mental que se expresse em todas as esferas da actividade humana, religiosa, ética, científica, filosófica, artística, pedagógica, social, económica e política. Esse paradigma, intemporal e novíssimo, a descobrir e recriar, passa pela experiência da realidade como uma totalidade orgânica e complexa, onde todos os seres e ecossistemas são interdependentes, não podendo pensar-se o bem de uns em detrimento de outros e da harmonia global. Nesta visão holística da Vida, o ser humano não perde a sua especificidade, mas, em vez de se assumir como o dono do mundo, torna-se responsável pelo equilíbrio ecológico do planeta e pelo direito de todos os seres vivos à vida e ao bem-estar.

Herdando a palavra grega para designar o "Todo", bem como o nome do deus da natureza e dos animais, o PAN - Partido pelos Animais e pela Natureza - incarna esse paradigma na sociedade e na política portuguesas.

O objectivo deste blogue é divulgar e fomentar o debate em torno de contributos diversos, contemporâneos e de todos os tempos, para a formulação deste novo paradigma, nas letras, nas artes e nas ciências.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Oiconómia

A palavra “economia”[1] vem do grego “oikos” (ὁ), os bens, e de “nómos” (ὁ), a lei. O “oἰkonómos” seria então o administrador dos bens, o que geria os bens da casa, “oἰkía”. Ora, se em acto de Amor, em ética fraterna, entendermos por "casa" toda a Natureza[2], afinal também o somatório de todas as formas que servem de veículos à prossecução da Vida, temos necessariamente de entender a gestão da “casa” como a administração integradora de todo o conjunto dos ecossistemas que habitam a Casa-Mãe, o Planeta Terra. Deste modo, deixará de haver gestão alienante, progressivamente substituída pela administração/governação dos que cumprem e mostram as leis que regem a Vida, dos princípios subjacentes a toda a Natureza. Deste modo, Terra, Ecossistema, Vida, Natureza, todos os reinos vivenciais – quer se lhes atribua ou não “senciência” – não mais poderão ser entendidos como separados e fragmentados segundo as visões paranóicas, antropocêntricas, especistas ou mesmo hedonistas. Serão, isso sim, experienciados como subsistemas interdependentes cujas unidades estão absolutamente interligadas e interdependentes.

No entanto, como sabemos, uma ideia mais profunda de administração/governação daquilo que é comum à Casa-Mãe – a “oiconómia”, necessariamente abrangente e fraterna – quando introduzida em mentes de superfície nada mais ocasiona do que desaires, como se tem visto e se verá, ocorrendo as ditas “desventuras” com pesadas consequências para todos, mas tantas vezes originadas na mediocridade dos que, metidos a seguidores dos Mistérios de Hércules, nada mais fazem do que introduzir severas distorções no Grande Sistema.

Deste modo, temos de contribuir para a progressiva substituição da ideia absurda porque redutora de “economia” – enquanto materialismo amplamente poluidor, de pendor biocídico e zoofóbico, assente na matriz assassina da separatividade, sempre geradora de sofrimento a animais humanos e não humanos – por uma “Oiconómia”, uma vivência segundo as Leis da Natureza, da Vida, da Casa-Mãe que todos experienciamos e na qual, sem exclusão de partes, coabitamos e residimos.

Segundo este modelo fraterno e abarcante, antropocentrismos, especismos e hedonismos[3], são patologias do pensar e do mal conviver, um poderoso antídoto às simbioses que remetem à completude e abarcância da Vida.

Assim, para todos, sem excepção, esta humilde chamada de atenção que não é um nó de exclusão mas sim uma abertura de inclusão, uma sugestão de integração, onde cada um é simultaneamente um e muitos, para que todos sejamos tudo e todo, simples e reluzentes notas harmónicas na grande sinfonia da Vida, contribuindo para uma progressiva redução das tensões que, mesmo assim, enquanto movimento, remetem tendencialmente e sempre para o acorde fundamental, para uma «harmonia das esferas». Digamos sim à Vida, façamos coro harmonioso dentro da Natureza!

António E. R. Faria



[1] Muito se fala de economia! Economia para aqui, economia para ali, economia como a tábua de salvação, remédio miraculoso que, segundo alguns e à revelia do mais elementar bom senso, nos conduzirá alegadamente a céus vivenciais! Equivocar-se-ão esses, os do pregão balofo e insensato, nada mais fazendo do que sorrateiramente divulgar os “paraísos” de entrada reservada enquanto todos os outros, a esmagadora maioria, humanos e não humanos, se arrastam como meros “carregadores”, calhando-lhes em sorte a abundância da precariedade e as vivências de sofrimento, geradas em boa medida por essa meia dúzia de ignorantes (da Vida) metidos a hábeis gestores da dominação.

[2] E não somente os bens, entendidos como o que se pode dispor a bel-prazer, à revelia do direito à felicidade inerente a todos os seres sencientes e ao equilíbrio dos ecossistemas.

[3]Esses egos enormes, sempre em busca de novos prazeres, que tendencialmente introjectam o mundo numa espécie de neurose obsessiva de afectividade viscosa, deliciando-se amiúde a capturar os outros egos.

2 comentários:

Tamborim disse...

Q a economia seja, então, uma ciência do bem, suportada pela ética e pelo fraternal amor, tão bem enfatizados pelo autor.

Luisa disse...

Isso mesmo

Enviar um comentário